Google+ Followers

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Outro artigo meu publicado no Correio do Povo

O de hoje é sobre o Dia Internacional da Pessoa com Deficiência. Eis a íntegra do artigo:


                    A eficiência das pessoas com deficiência


Não faz muito tempo, nós, pessoas com deficiência, vivíamos à margem da sociedade. Éramos vistos como seres inferiores, um público no qual não valia a pena investir muito. A população achava que não tínhamos sonhos e desejos. Mas temos nossas vontades e necessidades. Brincamos como qualquer outra criança; namoramos como qualquer adolescente e precisamos trabalhar como qualquer adulto.

Felizmente, a nossa situação, com o passar do tempo, está mudando. A sociedade, devagar, foi abrindo seus olhos. Nosso espaço está sendo galgado e alguns direitos nos foram concedidos. Temos a lei da reserva de vagas que garante emprego para alguns de nós, leis sobre acessibilidade, entre outros. Na última eleição, Mara Gabrilli (PSDB-SP), Rosinha da Adefal (PT do B-AL) e Walter Tosta (PMN-MG) foram eleitos deputados federais e, certamente, nos representarão no Congresso com muita competência.

Mas isso é apenas um pequeno trecho do longo caminho que precisamos percorrer para que, um dia, possamos viver em igualdade de condições com o resto da população. As calçadas e os acessos precisam ser aperfeiçoados para que possamos transitar com mais facilidade. As pessoas tem que respeitar as vagas de estacionamento e as guias rebaixadas que são especialmente para nós. É dever das escolas a adequada preparação dos seus docentes para receber as crianças com deficiência. As empresas e instituições públicas precisam nos dar espaço e nos empregarem. Exigimos da classe política o devido respeito. Aliás, se o governador eleito Tarso Genro pretende criar a Secretaria da Mulher, por que não criar a Secretaria Estadual da Pessoa com Deficiência? A prefeitura de Porto Alegre deve aumentar a verba da Secretaria de Acessibilidade e Inclusão Social, que é muito pequena para uma cidade do tamanho da capital gaúcha, e os municípios do interior do Estado tem que criar secretarias ou departamentos voltados ao nosso público.

Por outro lado, nós, pessoas com deficiência (ou os nossos responsáveis), temos que aproveitar todos os espaços e oportunidades para mostrar o nosso valor e potencialidade. Precisamos conscientizar a sociedade de que temos anseios e desejos como qualquer outra pessoa. Assim, quem sabe, poderemos fazer de 3 de dezembro um data de comemorações e não para reflexões.