Google+ Followers

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Outro artigo meu publicado no Correio do Povo

O de hoje é sobre o Dia Internacional da Pessoa com Deficiência. Eis a íntegra do artigo:


                    A eficiência das pessoas com deficiência


Não faz muito tempo, nós, pessoas com deficiência, vivíamos à margem da sociedade. Éramos vistos como seres inferiores, um público no qual não valia a pena investir muito. A população achava que não tínhamos sonhos e desejos. Mas temos nossas vontades e necessidades. Brincamos como qualquer outra criança; namoramos como qualquer adolescente e precisamos trabalhar como qualquer adulto.

Felizmente, a nossa situação, com o passar do tempo, está mudando. A sociedade, devagar, foi abrindo seus olhos. Nosso espaço está sendo galgado e alguns direitos nos foram concedidos. Temos a lei da reserva de vagas que garante emprego para alguns de nós, leis sobre acessibilidade, entre outros. Na última eleição, Mara Gabrilli (PSDB-SP), Rosinha da Adefal (PT do B-AL) e Walter Tosta (PMN-MG) foram eleitos deputados federais e, certamente, nos representarão no Congresso com muita competência.

Mas isso é apenas um pequeno trecho do longo caminho que precisamos percorrer para que, um dia, possamos viver em igualdade de condições com o resto da população. As calçadas e os acessos precisam ser aperfeiçoados para que possamos transitar com mais facilidade. As pessoas tem que respeitar as vagas de estacionamento e as guias rebaixadas que são especialmente para nós. É dever das escolas a adequada preparação dos seus docentes para receber as crianças com deficiência. As empresas e instituições públicas precisam nos dar espaço e nos empregarem. Exigimos da classe política o devido respeito. Aliás, se o governador eleito Tarso Genro pretende criar a Secretaria da Mulher, por que não criar a Secretaria Estadual da Pessoa com Deficiência? A prefeitura de Porto Alegre deve aumentar a verba da Secretaria de Acessibilidade e Inclusão Social, que é muito pequena para uma cidade do tamanho da capital gaúcha, e os municípios do interior do Estado tem que criar secretarias ou departamentos voltados ao nosso público.

Por outro lado, nós, pessoas com deficiência (ou os nossos responsáveis), temos que aproveitar todos os espaços e oportunidades para mostrar o nosso valor e potencialidade. Precisamos conscientizar a sociedade de que temos anseios e desejos como qualquer outra pessoa. Assim, quem sabe, poderemos fazer de 3 de dezembro um data de comemorações e não para reflexões.

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Por que vou votar no Serra

Depois de ter votado na Marina Silva para Presidente no 1º turno, não estava com muitas esperanças de encontrar um candidato que merecesse o meu voto para esse 2º turno.
Dilma Rousseff é competente mas participou de um governo corrupto e me parece uma pessoa corrpta também. José Serra também é competente, honesto (diferente de Dilma) mas o seu problema são as alianças com partidos de direita (Dem e PTB).
Mas vou votar no Serra por causa do trabalho que ele fez em São Paulo para as pessoas com deficiência. Ele criou as secretarias municipal e estadual da pessoa com deficiência. É o 1º político que se preocupou realmente conosco. Por isso, voto nele.

terça-feira, 19 de outubro de 2010

Me filiei ao PSOL

Depois das últimas eleições, fiquei extremamente preocupado com a falta de representatividade das pessoas com deficiência. Paulo Brum (cadeirante), em quem eu votei, não se reelegeu para deputado estadual. Para deputado federal, Marquinho Lang (também cadeirante) tentava sua 1ª eleição para o cargo mas não teve sucesso. De modo que, para os cargos maiores, os deficientes ficaram sem representação.
Por isso, resolvi me filiar ao PSOL. Fernanda Melchionna já tinha me feito esse convite. Se a Luciana Genro conseguir se desvencilhar dos problemas eleitorais em que, sem querer, se meteu, pretendo me cadidatar a vereador.
Vamos ver como as coisas se deesnvolvem nesses dois anos. Se o partido aceitar minha candidatura; se eles me derem suporte e eu tiver condições econômicas de fazer uma campanha, serei candidato.

terça-feira, 5 de outubro de 2010

Mais uma matéria na Zero Hora!

Peguei os endereços eletrônicos da ZH que tenho no meu mailling lá da Assessoria e mandei a seguinte sugestão de pauta: qual é proposta dos candidatos a governador para as pessoas com deficiência? E eles publicaram a matéria no dia 21 de setembro, Dia da Acessibilidade. Aliás, a reportagem ficou muito boa. Veja lá: http://zerohora.clicrbs.com.br/zerohora/jsp/default.jsp?uf=1&local=1&section=Pol%C3%ADtica&newsID=a3047278.xml

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Mais um artigo publicado no Correio do Povo

Tive mais um artigo publicado no Correio do Povo. Esse saiu no dia 13. O texto é esse:

                         As pessoas com deficiência e as eleições


        Nós, pessoas com deficiência (PCDs), formamos cerca de 15% da população gaúcha. Temos sonhos, anseios e esperança como qualquer outro. Infelizmente, a falta de políticas públicas que nos beneficiem é evidente. Os problemas de acessibilidade nas cidades são sérios. A educação inclusiva ainda engatinha. A grande maioria dos PCDs estão desempregados e muitos não conseguem a oportunidade de ter a qualificação necessária para obter o tão sonhado emprego. Os direitos dos deficientes quase sempre não são respeitados. Muitos dos PCDs tem que buscar tratamento longe de casa porque a sua cidade não oferece capacidade médica suficiente. Algumas das doenças que afligem os deficientes ainda não tem cura descoberta ou o tratamento é incipiente.

        Por todos esses motivos, neste ano, resolvi acompanhar atentamente a campanha eleitoral com a esperança de encontrar propostas concretas, exequíveis dos nossos candidatos. Ledo engano. Nós, deficientes, somos pouco lembrados no horário eleitoral. No Nordeste do País, onde estive recentemente, o quadro não é muito diferente.

       Quando recebo um santinho, logo procuro descobrir o endereço eletrônico e mando uma mensagem para o candidato perguntando quais são as suas propostas para as PCDs. São raras as respostas que recebo.

        Seria interessante para nós que fosse criada aqui no Rio Grande do Sul uma Secretaria para as pessoas com deficiência. Esta medida daria mais visibilidade para a nossa situação e seria um órgão fiscalizador e executor dos nossos direitos e benefícios. Esta secretaria só existe no Piauí e em São Paulo e nos abriria muitas portas em todos os sentidos.

        De nossa parte, só nos resta pressionar mais nossos futuros políticos e participar mais de movimentos em favor das pessoas com deficiência. Aí, quem sabe, nas eleições de 2014, eu não precise estar reescrevendo este artigo.

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Calçadas no Nordeste

Estive passando 15 dias no Nordeste do País, em férias, e notei que as calçadas lá são bem melhores do que as de Porto Alegre. Pelo menos, eu tomei bem menos tombos lá do que aqui.

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Os deficientes e as eleições

A campanha eleitoral é um bom termômetro para vermos o quanto a classe política se importa com os deficientes. E, pelo jeito, seremos novamente esquecidos. Tentei botar a idéia da secretaria estadual da pessoa com deficiência em programas de candidatos a governador mas não obetive sucesso. Cada vez que recebo um folder de um candidato, mando um e-mail perguntando qual é a sua proposta a nosso favor e, praticamente, não recebo resposta.
Acho que não querem nosso voto.

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Consertaram a calçada do meu edifício

No dia 26 de março, postei um tópico aqui mostrando a péssima qualidade da calçada em frente ao meu edifício. Hoje, por justiça, botarei aqui as fotos da calçada depois do conserto que fizeram nela. Ficou bem melhor para se andar nela e muito mais bonita, valorizando o edifício.
                                                                                   

quarta-feira, 16 de junho de 2010

Matéria no Hipertexto

Finalmente, saiu a reportagem que os estagiários da Famecos fizeram comigo em abril. E a espera valeu a pena porque a matéria está muito bem escrita. O texto, que foi publicado no jornal Hipertexto de maio, é esse:


"Acessibilidade, a luta continua


Porto Alegre ainda apresenta desnível em calçadas e falta transporte para as pessoas com dificuldade de locomoção

por João Henrique Willrich e Débora Fogliatto


Calçadas em estado precário, ônibus sem suporte para cadeirantes. Esses são alguns dos problemas de longa data da cidade de Porto Alegre quando o assunto é infraestrutura. Antigas questões persistem e causam transtorno para as pessoas com deficiência. Estimativas indicam que em torno de 25 milhões de pessoas no País possuem algum tipo de necessidade especial.

No Rio Grande do Sul, esse número chega a quase 200 mil. Apesar de Porto Alegre ser das capitais uma das que melhor atende necessidades dos deficientes, as reclamações continuam. O jornalista Gustavo Trevisi do Nascimento, 36 anos, teve paralisia cerebral, o que resultou em limitações motoras. Para se locomover no bairro Mont’Serrat, em Porto Alegre, onde mora, ele encontra dificuldades. Como não consegue levantar muito os pés, acaba tropeçando em buracos e falhas nas calçadas. Ao atravessar a rua, precisa utilizar rampas, devido à altura dos meio-fios. Quando estas não existem, ele demora e até mesmo cai tentando alcançar o outro lado. Raízes altas, mudanças de piso, revestimentos irregulares também o atrapalham e já ocasionaram diversos deslizes e quedas. “Preciso caminhar olhando constantemente para o chão, pois nunca sei quando haverá algum obstáculo em meu caminho”, queixa-se.

Gustavo expressa essas e outras críticas ao poder público em sua página na Internet, chamada Blog da Acessibilidade. “Poucas pessoas possuem a autonomia que eu tenho. Não apenas os deficientes sofrem com essa situação, mas também as pessoas idosas que enfrentam grande dificuldade de locomoção”, alerta Gustavo.

Outro cidadão que sofre devido aos mesmos problemas é João da Silva, 32 anos. A sua principal reclamação é a falta de ônibus coletivos com equipamento adequado ao ingresso de pessoas em cadeira de rodas. “Um cadeirante demora muito mais para se locomover pela cidade, pois os ônibus que possuem o suporte adequado são poucos frente a toda frota. Às vezes passam três ônibus que não podem nos receber, então acabamos nos atrasando”, lamenta João. Em Porto Alegre, apenas as principais linhas oferecem aporte para cadeirante.

Mas não é só na Capital gaúcha que estes problemas persistem. Mesmo apresentando lacunas nos serviços oferecidos aos deficientes, Porto Alegre é uma cidade modelo nesse âmbito. De acordo com a prefeitura do município, 27% da frota de ônibus está preparada para receber deficientes, enquanto a legislação cobra apenas 10%. As lotações, ainda esse ano, sairão de fábrica com adaptação para cadeirante.

Há projetos encaminhados para melhorar a área central de Porto Alegre. Cerca de 180 novos rebaixamentos de calçadas estão previstos na área. “Esses serão facilitadores para circulação e travessia de rua segura de todos os pedestres, em especial aqueles com deficiência e mobilidade reduzida”, afirma João de Toledo, arquiteto e urbanista da Secretaria Especial de Acessibilidade e Inclusão Social (Seacis). Está para ser votado na Câmara de Vereadores um projeto de lei chamado “Plano diretor de Acessibilidade”, criado pelo ex-prefeito José Fogaça. Essa lei viabilizará rotas acessíveis e caminhos sem obstáculos para qualquer cidadão.

No final do ano passado, Porto Alegre foi a primeira candidata a sede da Copa do Mundo de 2014 a assumir compromisso com a campanha de acessibilidade, promovida pelo Conselho Nacional dos Direitos da Pessoa Portadora de Deficiência (Conade). O projeto exige construções de acordo com o conceito de acessibilidade universal."

Como a gurizada disse no título da reportagem, a luta continua. E eu agradeço a ajuda!

terça-feira, 25 de maio de 2010

Mais uma reunião da Cuthab

Hoje á tarde, teve mais uma reunião da Cuthab, na Câmara Municipal, para discutir o Plano Diretor de Acessibilidade de Porto Alegre, que pode virar lei. E parece que o debate foi quente. Infelizmente, tive que sair no ínicio da reunião por causa da minha fisioterapia.
O resumo da reunião, tirado do site da Câmara, é este: "Acessibilidade: sugestões deverão virar emendas


A Comissão de Urbanização, Transportes e Habitação (Cuthab) da Câmara Municipal de Porto Alegre deverá, a partir de agora, transformar em emendas as sugestões apresentadas pelo Grupo de Trabalho para Assuntos de Acessibilidade (GTAA) ao Projeto de Lei Complementar (PLC) do Executivo que institui o Plano Diretor de Acessibilidade de Porto Alegre. A garantia foi dada pelos vereadores da Cuthab, nesta terça-feira (25/5) à tarde, durante reunião que voltou a debater o projeto do Executivo.
O PLC, que propõe o estabelecimento de normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida, deverá receber parecer da Cuthab antes de ir a discussão e votação em plenário. O projeto também dispõe sobre a acessibilidade orientada pelo desenho universal - concepção de espaços, artefatos e produtos que visam atender simultaneamente todas as pessoas - do Município. O presidente da Cuthab, vereador Elias Vidal (PPS), indicou o vereador Engenheiro Comassetto (PT) para ser o relator do parecer sobre a matéria na Comissão.
A arquiteta e urbanista Belkis Regina Menezes Moraes, representante do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura do RS (Crea-RS) no GTAA, reafirmou as críticas feitas ao projeto, anteriormente, pelos integrantes do Grupo de Trabalho. Ela ressaltou a necessidade de que haja uma adequação do Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano Ambiental (PDDUA) de Porto Alegre aos critérios de acessibilidade. "O PDDUA passou recentemente por revisão e não incorporou questões de acessbilidade e desenho universal relativas ao Decreto Federal 5.296/2004", disse Belkis.
Segundo ela, é necessário que haja estudos sobre o impacto financeiro e orçamentário que permitam saber se é viável a aplicação da proposta do Executivo. O GTAA também reivindica que seja excluída da proposta de Plano Diretor de Acessibilidade toda a matéria que já esteja contemplada em legislação federal. "Sugerimos que seja organizado um seminário sobre o sistema de mobilidade urbana da Capital", disse Belkis.

Burocracia

Sergio Coren, do Sindicato da Indústria da Construção Civil (Sinduscon), e Milton Oliveira, da Sociedade de Engenharia do RS (Sergs), manifestaram a preocupação de que a proposta do Executivo possa burocratizar mais ainda a tramitação de processos para execução de obras na cidade. "As dificuldades tendem a aumentar com a análise dos projetos por mais uma Secretaria (a Seacis)", disseram os técnicos.
Rebatendo as críticas feitas pelo GTAA, o secretário especial de Acessibilidade e Inclusão Social (Seacis), Tarcízio Cardoso, ressaltou que a proposta do Plano de Acessibilidade foi elaborado por um grupo de técnicos do Executivo municipal e não apenas pela Seacis. Cardoso disse que o Executivo aceita a discussão sobre o projeto, desde que ela seja feita de acordo com o processo legislativo, com propostas de emendas, pois o debate já foi feito em audiências públicas. Sobre uma possível burocratização na aprovação de projetos de obras pelo Município, o secretário informou que já existe uma proposta de reestruturação do organograma da Seacis. "O Plano visa a organizar a política de acessibilidade em Porto Alegre."
Coordenando a reunião, o presidente da Cuthab, vereador Elias Vidal (PPS), disse que as sugestões e alterações à proposta do Executivo devem ser encaminhadas a Cuthab para que sejam transformadas em emendas ao projeto, a fim de serem debatidas e votadas em plenário. Nilo Santos (PTB) comemorou "o fato histórico" de Porto Alegre ser a primeira capital brasileira a ter um Plano Diretor de Acessibilidade. Ele admitiu que o projeto possa ser aperfeiçoado a partir das discussões e emendas propostas, mas manifestou preocupação no sentido de acelerar o processo, "pois os cidadãos estão sendo privados do direito à acessibilidade". Segundo ele, o plano deve ser votado e aprovado.
Paulinho Rubem Berta (PPS) destacou a importância da cidade ter políticas públicas voltada às pessoas portadores de deficiência. Para o vice-presidente da Cuthab e relator do projeto, vereador Engenheiro Comassetto (PT), o plano deve transparecer o caráter transversal do tema "acessibilidade". Ele destacou que iniciativa do Executivo tem o mérito de provocar a discussão sobre o tema e lamentou que as políticas de acessibilidade não tenham sido discutidas na revisão do PDDUA. "Vou trabalhar para que meu relatório traduza a participação de todos nas emendas propostas", disse Comassetto."
Espero que o debate se desenvolva da melhor maneira possível e que tudo se resolva rapidamente, com Plano Diretor de Acessibilidade ou não.



 

segunda-feira, 17 de maio de 2010

Pastel com o Paradesporto do IPA.

Sábado, estive comendo um pastel com o pessoal do paradesporto do IPA. Apesar de ser um deficiente físico durante minha vida inteira, poucas vezes tive a oportunidade de conviver com vários deficientes ao mesmo tempo. Ainda mais enquanto adulto.
Os problemas que são inerentes à minha vida no tocante à acessibilidade já encaro com naturalidade. Me irrito na hora mas não adianta: tenho que tocar em frente. E como me acho um privilegiado no meio dos deficientes (afinal, são poucos PCDs que têm a autonomia que eu tenho. Os meus problemas são muito menores do que os deles), confesso que achei estranho a naturalidade com que o pessoal do IPA encaram a vida. É como se nada tivesse acontecido. É como se enxergassem ou andassem. Os deficientes acabam achando alternativas e atalhos para solucionar os seus problema ou pedem ajuda. E conseguem, na medida do possível, ser felizes.
Apesar da minha deficiência também, virei fâ deles.

domingo, 9 de maio de 2010

Renuião da Cuthab

No dia 13 de abril, eu tinha avisado à vocês que participei da Reunião da Cuthab, na Câmara de Vereadores. Pois a reunião teve desdobramentos. Agora, convidaram a Seacis para discutir o assunto.: http://www.camarapoa.rs.gov.br/default.htm E a discussão irá longe ainda. No dia 18 de maio, ás 10 horas, teremos uma grande reunião com todas as partes envolvidas no assunto no plenário Ana Terra. Vamos ver se as coisas andam.

sexta-feira, 30 de abril de 2010

Lei Mara Gabrilli em Porto Alegre

Quando comecei a me movimentar por mais acessibilidde em Porto Alegre, procurei nossos vereadores e fui prontamente atendido pela Fernanda Melchionna, do PSOL, de quem me tornei amigo. Ela me pediu que eu desse alguma idéia e sugeri a ela que trouxesse, para Porto Alegre, o Plano Emergencial de Calçadas, de autoria da Mara Gabrilli. Fernanda adorou a sugestão.
O problema é que precisávamos da autorização da Mara para trazer a lei para cá. Quando ela me ligou na Páscoa, consegui a permissão.
Outro dia, recebi um e-mail da bancada do PSOL dizendo que a lei já está protocolada na Câmara Municipal desde o dia 19 de abril, fato que me deixou extremamente feliz. Vamos acompanhar a tramitação desta lei, torcer para ela ser aprovada; sancionada e, principalmente, cumprida.  

quinta-feira, 29 de abril de 2010

Estamos capitalizando

Estou tentando cooperar em todos espaços possíveis. Na segunda-feira à noite, participei da entrega do programa de governo para o Estado do PMDB ao candidato José Fogaça. O auditório estava lotado e teve a participação de grandes nomes do partido como Germano Rigotto; Mendes Ribeiro Filho e Osmar Terra. Tive a honra e a felicidade de ser citado duas vezes pelo meu ex-professor Antonio Hohlfeldt por estar fazendo um bonito trabalho na àrea da acessibilidade. Segundo ele, este será um dos pontos fundamentais da campanha de Fogaça. Fico feliz em saber que nossos políticos estão se alertando para o assunto e que, de alguma forma, estou contribuindo para isso.
Na terça-feira à tarde, participei do 4º Encontro do Conselho Estadual e dos Conselhos Municipais dos Direitos da Pessoa com Deficiência/RS. Tive o prazer de dar um depoimento de alguns minutos, contando um pouco da minha vida e dessa batalha pela acessibilidade. Apesar do me nervosismo, sinto que consegui motivar as pessoas. Pedi a elas que também incomodassem os políticos para que eles comessem a falar de nós, deficientes, durante a campanha eleitoral. Eles têm que começar a trabalhar em nosso favor.
Como diria a minha colega de trabalho, Denise, estou "capitalizando". E espero capitalizar cada vez mais para poder ajudar a quem precisa.      

quinta-feira, 22 de abril de 2010

Na minha cadeira ou na tua?

Tive o prazer de participar, até agora há pouco, da concorridíssima sessão de autógrafos dessa loiraça que está ao meu lado na foto, a Juliana Carvalho, autora do livro "Na minha cadeira ou na tua?"  (editora Terceiro Nome, 221 páginas). A obra conta algumas passagens da vida dela, antes e depois da lesão medular que o levou a cadeira de rodas, de uma maneira tão envolvente, simples e rápida que não dá vontade de parar de ler.
A Ju é publicitária. Cadeirante desde os 19 anos, quando teve uma inflamação na medula. Apresenta o programa "Faça a Diferença", pela TV Assembléia Legislativa do Rio Grande do Sul. Mantém dois blogs: o "Comédias da Vida Aleijada" (comediasdavidaaleijada.blogspot.com) e o "Sem Barreiras" (www.zerohora.com.br/sembarreiras).
Pelo tanto de gente que tinha na fila, deu para perceber o quanto essa guria é querida. E percebi, ouvindo as conversas enquanto esperava a minha vez de ganhar o autógrafo, a quantidade de amigos que ela tem. Confesso que fiquei com inveja!
Ah, e não esperei chegar em casa para começar a ler o livro. Comecei a devorá-lo na lotação mesmo.
Ju, todo sucesso no livro porque você merece!
                                             

segunda-feira, 19 de abril de 2010

Ajuda na Política

Uma das coisas que tem me deixado feliz nestes últimos dias é a ajuda que estou dando no campo político. Perguntei ao meu ex-professor Antonio Hohlfeldt se o programa do governo do candidato José Fogaça tinha alguma proposta em favor das pessoas com deficiência. Ele me disse que não e pediu que eu elaborasse alguma coisa, apesar da minha pouca prática. Estou separando links de secretarias estaduais que tenham algum trabalho com deficientes. O meu sonho é que seja criada a secretaria da pessoa com deficiência aqui no Rio Grande do Sul.  

terça-feira, 13 de abril de 2010

Reunião sobre o Plano Diretor de Acessibilidade de Porto Alegre

Tive o prazer de ser convidado e participar hoje da reunião da Cuthab (Comissão de Urbanização, Transportes e Habitação) da Câmara Municipal de Porto Alegre. O assunto discutido foi o Plano Diretor de Acessibilidade (PDA).
Os vereadores que participam da comissão são Elias Vidal (presidente); Carlos Comassetto (vice-presidente); Alceu Brasinha; Nilo Santos; Paulinho Ruben Berta e João Pancinha.
Algumas das entidades que estiveram presentes à reunião foram o Crea (Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia); Iab (Instituto dos Arquitetos do Brasil); Sinduscon (Sindicato das Indústrias da Construção Civil) e o Senge (Sindicato dos Engenheiros), entre outras.
Tive a honra de poder me sentar à mesa para participar do debate e o que me chamou a atenção é a consonância de opiniões. Estamos de acordo quando dissemos que temos problema de fiscalização (a Seacis- Secretaria de Acessibilidade e Inclusão Social- é um órgão muito pequeno e limitado para fiscalizar as calçadas de Porto Alegre) e que o PDA aborda com pouca clareza a qualificação das calçadas.
Mas fiquei esperançoso ao perceber que os nossos vereadores e a sociedade estão se mobilizando com relação ao assunto. Torço para que mais reuniões desse tipo aconteçam e o tema não seja esquecido.

terça-feira, 6 de abril de 2010

Apareci na Zero Hora

Na tentativa de divulgar este problema das calçadas, consegui dois espaços na Zero Hora. O primeiro foi na coluna do Moacyr Scliar, no caderno Donna do dia 7 de fevereiro: http://zerohora.clicrbs.com.br/zerohora/jsp/default2.jsp?uf=1&local=1&source=a2800253.xml&template=3916.dwt&edition=14061§ion=1026 (o tópico está no final da coluna).
O segundo foi uma reportagem sobre calçadas no dia 20 de fevereiro: http://zerohora.clicrbs.com.br/zerohora/jsp/default2.jsp?uf=1&local=1&source=a2815624.xml&template=3898.dwt&edition=14151§ion=1171 .
Vamos ver se, devagarzinho, consigo sensibilizar as pessoas para este problema.

sexta-feira, 2 de abril de 2010

A Juventude e a Acessibilidade

Ontem (1º/04), recebi a visita de três estagiários de jornalismo da PUCRS. Eles vieram fazer uma reportagem sobre acessibilidade. Na tentativa de divulgar esse assunto, propus a pauta para o Tibério, meu ex-professor.
Débora Fogliatto, João Henrique e Daniela (fotógrafa) aceitaram o desafio, tomaram a iniciativa de pegar a pauta (o que é muito importante para um repórter) e me entrevistaram. Aliás, fui muito bem entrevistado. É bom saber que os jovens estão se conscientizando sobre acessibilidade.
Torço pelo sucesso deles e espero que eles ainda abordem muitas vezes o tema. Obrigado, gurizada!

segunda-feira, 29 de março de 2010

Ônibus adaptado é exemplo de descaso com cadeirante

Uma excelente matéria foi mostrada ontem (28/3) no Fantástico sobre os ônibus públicos adaptados para cadeirantes em cinco capitais brasileiros (http://fantastico.globo.com/Jornalismo/FANT/0,,MUL1548461-15605,00-MA+CADEIRANTE+ESPERA+MAIS+DE+DUAS+HORAS+POR+ONIBUS+ADAPTADO.html ou http://www.youtube.com/watch?v=DheW_oSR0og ). Rio de Janeiro, São Paulo, São Luís, Goiânia e Porto Alegre foram as protagonistas do teste de mobilidade para deficientes físicos.
E o resultado foi mais uma vergonha nacional. Em São Luís, no Maranhão, o cadeirante convidado para a reportagem esperou 2 horas e 13 minutos até que um ônibus pudesse carregá-lo já que os três que apareceram antes estavam com o elevador quebrado. Em Goiânia, em torno de 70% da frota é adaptada mas, em muitos veículos, os equipamentos também apresentavam problemas. Porto Alegre foi considerada a capital com o melhor serviço por causa da presteza dos funcionários.
Mas é lamentável que, em média, apenas 30% dos ônibus destas cinco capitais brasileiras estejam adaptados para cadeira de rodas. Isto significa que os cadeirantes levam três vezes mais tempo do que uma pessoa comum para chegar ao destino desejado. Como ter motivação para tentar um emprego; como ir ao médico; como se divertir num bar com os amigos se as barreiras são quase intransponíveis?

sexta-feira, 26 de março de 2010

A calçada do meu edifício

Esta é a calçada do meu edifício. Além de, em alguns lugares, estarem faltando as pedras, em outros, as raízes das árvores arrebentou a calçada, como podemos ver na foto de cima à direita. No buraco da foto da esquerda, também em cima, já tropecei e bati a cabeça na grade.
O pessoal do conselho de administração está bastante chateado porque receberam a notificação da prefeitura para consertar o passeio mas, há muito tempo, foi pedido um serviço de ánalise das árvores e a SMAM (Secretaria Municipal de Meio Ambiente) não se manifestou.

terça-feira, 23 de março de 2010

Mara Gabrilli

Foi com um misto de surpresa e emoção que ouvi a leitura do e-mail que mandei a Mara Gabrilli. Ela leu no seu programa Derrubando Barreiras, que é um programa voltado à pessoa com deficiência que tem na rádio Eldorado, de São Paulo. O e-mail foi lido no dia 21 de dezembro.
A Mara ficou tetraplégica depois de sofrer um acidente automobilístico em 1994. Apesar de ter ficado com essa paralisia, começou a se mexer e já em 97, criou um instituto para a cura de paralisias e para paratletas. Depois, entrou para a política e não se elegeu vereadora em São Paulo em 2004 mas assumiu a 1ª secretaria voltada especialmente para a pessoa com deficiência. Devido ao belo trabalho feito, foi eleita como a vereadora mais votada do país na eleição seguinte. Entrem no site dela: http://www.maragabrilli.com.br/ .
Conheci a Mara através de uma reportagem na revista Época. Mandei um e-mail a ela e ela foi extremamente atenciosa comigo. Trocamos mais umas mensagens e estou tentando trazer as leis de autoria dela aqui para Porto Alegre. Gostaria de que ela me ligasse para falarmos sobre o assunto e, não nego, para matar minha curiosidade de conhecê-la mas nada da danada me ligar. Liga pra mim, Mara!

OBS: Mara me deu o maior presente que eu poderia receber nesta Páscoa: ela me ligou! Ficamos um bom tempo de papo. Fiquei numa felicidade tremenda por ter a oportunidade de conhecê-la. Muito obrigado, Mara! 

sábado, 20 de março de 2010

As coisas vão avançando...

Semana após semana, vamos conseguindo novos espaços. Na quinta-feira, fui na Faders (Fundação de Articulação e Desenvolvimento de Políticas Públicas para PCDs no Rio Grande do Sul) e consegui apoio para a minha luta contra a situação das calçadas aqui em Porto Alegre. Eles falarão com o vereador Tarciso para marcar uma Tribuna Popular sobre o assunto na Câmara dos Vereadores.

Ao mesmo tempo, fiquei chateado ao saber que, na Faders, o serviço de comunicação social é feito por uma pedagoga. Exemplo de descaso com os deficientes.

Enquanto isso, vou tropeçando e caindo por aí. Agora, estou com um machucado no cotovelo direito.

quinta-feira, 11 de março de 2010

Blog da Acessibilidade!

Olá, meu nome é Gustavo Trevisi do Nascimento, tenho 36 anos e sou deficiente físico. Aos 3 meses de idade, tive uma otite (uma forte inflamação no ouvido), o que resultou na minha paralisia cerebral.
Há algum tempo, tenho me mobilizado para a questão da acessibilidade, principalmente para o problema das calçadas. Consegui algum espaço na mídia gaúcha. No dia 20 de janeiro, participei de uma reportagem no RBS Notícias: http://mediacenter.clicrbs.com.br/templates/player.aspx?uf=1&contentID=96648&channel=45 (é a 2ª matéria do bloco).
Criei esse blog para que possamos discutir todas as questões referentes às pessoas com deficiência. Espero aprender com vocês.
Um abraço do Gustavo!